Home / Agenda de Eventos / Notícias / Duplicação da Serra do Cafezal responde a demanda do setor logístico brasileiro
Duplicação da Serra do Cafezal responde a demanda do setor logístico brasileiro

Duplicação da Serra do Cafezal responde a demanda do setor logístico brasileiro

A Arteris Régis Bittencourt entregará e liberará para o tráfego, nos próximos dias, os últimos 10 quilômetros da obra de duplicação da Serra do Cafezal – coração da Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), principal eixo de ligação entre as regiões Sul e Sudeste do País.

No trecho, que passa por revisão final e testes, localizado no município de Miracatu (SP), estão mais de 30 obras de arte (pontes e viadutos) e quatro túneis, que já se integram à topografia da região e a Mata Atlântica.

Por dia, 127 mil veículos trafegam pelas seis praças de pedágio ao longo da  rodovia, sendo 60% deles caminhões. Isso, por si só, demonstra a importância da rodovia para o setor produtivo e relações comerciais do Brasil.

Segundo pesquisa da Fundação Dom Cabral, o modal predominante para as empresas de logística no Brasil é o rodoviário (80%). O estudo indica, também, que a maioria das empresas pesquisadas concordam com o aumento do volume de estradas pedagiadas, por entender que, com isso, podem ganhar eficiência na entrega de seus produtos e serviços.

Pesquisador da mesma instituição informou que o custo com logística representa para as empresas em operação no Brasil, 11,5% de sua receita bruta, enquanto que nos Estados Unidos, por exemplo o percentual é de 8%. Mais relevante ainda é o fato de que 40% desse custo está no transporte de longa distância, o que indica no caso brasileiro o transporte terrestre.

Com a liberação desse último trecho e finalização de toda a obra de duplicação, que compreende 30,5 quilômetros e que consumiu um investimento de R$1,3 bilhão, a expectativa da concessionária e de todo o Grupo Arteris é a melhoria das condições de trafegabilidade e de segurança e espera-se que a nova Serra do Cafezal catalise o crescimento da economia, não só dos 17 municípios que interagem e dependem da rodovia como das capitais que são interligadas pela rodovia, fomente o turismo na região e promova o desenvolvimento socioeconômico da região e do Brasil.

Dados de tráfego 

  • Arteris Régis Bittencourt. Média 127 mil veículos/dia
  • Serra do Cafezal. Média de 25 mil veículos/dia
  • 60% do tráfego é de veículos pesados.

Redução de acidentes

  • A Arteris aderiu voluntariamente a Década de Ações para Segurança no Trânsito da ONU, cujo a meta é reduzir em 50% o número de vítimas fatais em acidentes no viário entre 2011 e 2020
  • Na Arteris Régis Bittencourt, a partir de 2010, a concessionária registrou a redução de 55% no número de vítimas fatais na rodovia, sendo que em 2010 foram registradas 196 vítimas fatais, contra 88 registradas em 2016
  • Especificamente na Serra do Cafezal, onde estão os trechos mais sinuosos da rodovia Regis Bittencourt, também é verificado decréscimo. Houve redução de 26,5% no percentual geral de acidentes e de 47% de vítimas fatais para o mesmo período.

 Números da obra – Serra do Cafezal 

  • 30 quilômetros de rodovia entre as cidades de Juquitiba e Miracatu. 20 quilômetros entregues e liberados para o tráfego
  • 04 túneis (Túnel 1 – 350m; Túnel 2 – 250m; Túnel 3 – 780m + túnel de escape para pedestre; Túnel 4 – 450m)
  • 39 pontes e viadutos (3 pontes e 36 viadutos)
  • 150 mil m2 de tabuleiros de pontes e viadutos
  • 2 milhões de m3 de movimentação de terra
  • 750 fundações com tubulões na construção dos pilares de sustentação das Obras de Artes Especiais – Pontes e viadutos.
  • 12 passagens de fauna monitoradas – bueiros adaptados para travessia da fauna
  • 17 programas ambientais em curso que incluem recuperação de áreas degradadas, proteção da fauna, da flora, de bioindicadores, monitoramento da qualidade da água e de processos erosivos entre outros
  • 236 hectares de compensação ambiental para 51 hectares suprimidos durante toda a obra. Mais de 400 mil mudas plantadas
  • 2 passarelas de pedestres
  • Mais de 2 mil trabalhadores no auge da obra
  • R$ 1,3 bilhão de investimento
  • Mais de 150 mil m3 de concreto
  • (Fotos: Assessoria Arteris)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Vá para o topo