Saúde

Inca: proibição de fumar em público salvou vida de 15 mil crianças

Publicado

em

As leis brasileiras que proibiram fumar em locais fechados e criaram ambientes livres de fumo pouparam a vida de 15,1 mil crianças de até um ano entre 2000 e 2016, segundo estudo apresentado hoje (31) no Instituto Nacional de Câncer (Inca).

A pesquisa Legislação de Ambientes Livres de Fumaça de Tabaco e Mortalidade Infantil, que envolveu instituições brasileiras e estrangeiras, foi apresentada hoje (31) durante a comemoração do Dia Mundial Sem Tabaco, na sede do instituto.

O estudo foi apresentado pelo médico André Szklo, que representou a divisão de pesquisa populacional do Inca. Também assinam o artigo a Imperial College of London, o Erasmus Medical Centre, a International Union Against Tuberculosis and Lung Diseases e a Universidade de São Paulo (USP).

Segundo Szklo, a criação de ambientes sem tabaco produziu uma queda média de 5,2% da mortalidade infantil nos municípios brasileiros. “As cidades com maiores taxas de pobreza e menores níveis de escolaridade foram as mais beneficiadas com redução da mortalidade infantil, mostrando como essa política ajudou a reduzir a desigualdade social.”

Lugares fechados

A proibição de fumar em lugares públicos fechados passou a valer para todo o país em 2014, mas, antes disso, alguns estados e cidades se anteciparam e fizeram leis com restrições totais ou parciais. Os pesquisadores apontam que, se desde os anos 2000, todo o país tivesse adotado a restrição de fumar em locais fechados, o número de vidas poupadas seria ainda maior, chegando a 25 mil.

Segundo Szklo, a atuação da indústria do tabaco foi determinante para atrasar a proibição total do fumo em locais fechados no Brasil. A pesquisa cita documentos que mostram que o setor questionou os malefícios do fumo passivo e buscou influenciar o Legislativo a afrouxar as restrições, que eram debatidas.

“Essa manipulação e essa omissão retardaram a implementação da lei de proibição total, causando mais mortes e mais custos para a saúde, fazendo com que mulheres grávidas não parassem de fumar, e que a população estivesse ainda mais exposta ao fumo passivo em ambientes coletivos.”

Comemoração

Em seu discuso, a diretora-geral do instituto, Ana Cristina Pinho Mendes Pereira, destacou que 90% dos casos de câncer de pulmão estão relacionados ao tabagismo, que é considerado uma epidemia.

“É o fator de risco com mais alto nível de evidência científica”, afirmou.

“Apesar de todo conhecimento científico acumulado nas últimas décadas, a epidemia tabagística continua sobrecarregando os sistemas de saúde, empobrecendo populações, comprometendo a saúde de fumantes e não fumantes, crianças, adolescentes, jovens e da população, que é exposta à fumaça.”

Na oportunidade, os pesquisadores alertaram que, além de provocar câncer no pulmão, o hábito de fumar está relacionado ao agravamento de doenças respiratórias e também a casos de doença pulmonar obstrutiva crônica.

A representante da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Socorro Gross, destacou a experiência brasileira de proibição do fumo em ambientes coletivos e elogiou a ação proposta pela Advocacia Geral da União (AGU) para que fabricantes de cigarros e suas matrizes no exterior passem a ressarcir os cofres públicos pelos gastos do Sistema Único de Saúde com o tratamento de doenças relacionadas ao tabaco.

“Essa ação do Brasil serve de exemplo para outros países, tanto para incentivá-los a tomar medidas semelhantes quanto para subsidiá-los com argumentos jurídicos”, disse ela. “A epidemia de tabaco é uma das maiores ameaças à saúde publica que a o mundo já enfrentou, matando mais de 8 milhões de pessoas por ano”.

(Fonte: Agência Brasil/Tânia Rêgo/Agência Brasil )

Continuar Lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Curitiba é a primeira cidade do Brasil a oferecer videoconsulta para covid-19

Publicado

em

Curitiba é a primeira cidade do Brasil a usar a videoconsulta para atendimento médico de pacientes suspeitos da covid-19. O serviço a distância começa a ser oferecido pela Secretaria Municipal de Saúde nesta sexta-feira (27/3) e tem como objetivo reduzir o fluxo de pacientes presenciais nas unidades da rede municipal, contribuindo para o controle da pandemia.

A tecnologia foi doada ao município pela empresa de agendamento de consultas on-line Doctoralia, com sede brasileira em Curitiba.

“Com a nova tecnologia, as pessoas suspeitas da doença não vão precisar sair de casa para se consultar com um médico do SUS curitibano, o que poderá minimizar os efeitos do novo coronavírus na capital”, afirmou o prefeito Rafael Greca, que visitou a central de teleconsulta por videoconferência na sede da secretaria municipal.

Inicialmente, a pessoa irá passar por uma triagem na Central de Atendimento da Secretaria de Saúde, no telefone 3350-9000. Constatada a necessidade do atendimento por vídeo – os casos moderados e graves -, o paciente irá receber no smartphone, por SMS, um link que dará acesso à consulta on-line, que deve ocorrer no mesmo dia.

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, explicou que 24 médicos irão fazer as videoconsultas em terminais com câmeras e o prontuário do paciente. “As pessoas que apresentarem sintomas serão encaminhadas para o atendimento de videoconferência”, salientou ela. Já os casos leves continuarão a receber orientações dos atendentes da Central.

O prefeito agradeceu a Doctoralia por ceder gratuitamente as licenças da plataforma para que o município pudesse oferecer a teleconsulta por videoconferência durante a pandemia. “Parte do nosso Vale do Pinhão, a Doctoralia se uniu à Prefeitura e à Agência Curitiba de Desenvolvimento para proteger e salvar vidas. É um grande exemplo de solidariedade social”, afirmou o prefeito.

Segundo Carlos Eduardo Lopes, CEO da Doctoralia, a empresa está empenhada em ajudar o setor público a reduzir os impactos da pandemia. “Há mais de dez anos, buscamos aproximar o médico dos pacientes com nosso serviço de consultas on-line em todo o mundo e a União Europeia já aprovou a plataforma para teleconsultas”, explica ele.

Lopes anunciou ainda que a tecnologia também estará disponível gratuitamente para outros municípios durante a pandemia.

Presente em mais de 15 países, a Doctoralia foi fundada na Polônia e é considerada a maior plataforma de saúde do Brasil e do mundo. Só no Brasil a empresa tem dez milhões de usuários únicos.

A presidente da Agência Curitiba, Cris Alessi, também participou da visita ao setor de videoconsulta da Secretaria Municipal de Saúde.  (Foto: Ricardo Marajó/FAS)

Continuar Lendo

Saúde

Saúde confirma mais 27 casos e Paraná chega agora a 97

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou mais 27 casos de coronavírus no Paraná na quarta-feira (25). São 14 homens e 13 mulheres com idades entre 20 e 77 anos, de Curitiba (19), Pinhais (1), Foz do Iguaçu (1), Maringá (1), Ponta Grossa (2), Faxinal (1), Campo Mourão (1) e São Paulo (1), fora do Estado.

O panorama da doença no Paraná é de 97 casos confirmados, 483 descartados e 3.588 em investigação. Nas últimas 24 horas, a Secretaria da Saúde descartou 286 casos manualmente devido à instabilidade constante do sistema do Ministério da Saúde.

Históricos de viagens e demais informações sobre casos confirmados podem ser verificadas junto às secretarias municipais de saúde. Até o momento, o Paraná não tem nenhum caso registrado de transmissão comunitária.

DADOS – Todas as notificações pelos serviços de saúde de síndromes respiratórias constam no boletim como casos em investigação. A medida cumpre a Portaria nº 454/2020, do Ministério da Saúde, que estabelece novos critérios e procedimentos.

Diariamente, os serviços de saúde dos 399 municípios do Paraná notificam os atendimentos de síndromes respiratórias via sistema, o que explica o aumento diário significativo nos números em investigação. Porém, nem toda notificação quer dizer que o caso seja considerado como suspeito.

A Portaria do Ministério da Saúde exige a notificação imediata. Após isto, o serviço de saúde municipal, através da análise clínica, define se aquele paciente é um suspeito em potencial e verifica a necessidade, ou não, da coleta de amostra para a realização de testes. Ou seja, o número de casos em investigação não significa que todos são considerados suspeito.

Continuar Lendo

Saúde

Governo orienta municípios a ampliar pontos de vacinação contra a gripe

Publicado

em

Começa na segunda-feira (23), e segue até 22 de maio, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2020. A campanha traz mudanças em função da pandemia do coronavírus. Além da antecipação do período, que normalmente tem início em abril, será ampliada para além dos postos de vacinação, com participação de parceiros como empresas, universidades, escolas, comércio e instituições, dependendo do planejamento de cada município. O objetivo é evitar a aglomeração de pessoas e aumentar a cobertura vacinal.

“A estratégia neste ano é diferente. Vamos contar o com apoio da sociedade para que a vacinação se estenda para mais pontos. Os municípios têm autonomia para definir estes locais junto às instituições e organizações parceiras”, explicou o secretário da Saúde Beto Preto. “O objetivo é evitar aglomerações nos postos e unidades de saúde e ofertar mais oportunidade para imunização à população”. Ele acrescentou que o Paraná recebeu até o momento 522 mil doses da vacina e todos os municípios já estão abastecidos.

Segundo o secretário, a antecipação e a ampliação de pontos de vacinação são medidas para proteção da população. O horário estendido para atender o público-alvo também é outra orientação feita pela secretaria estadual aos municípios, além da vacinação em casa para pessoas com mais de 70 anos.

“Queremos imunizar o maior número possível de paranaenses para evitar que pessoas adoeçam por Influenza e, principalmente, que não tenhamos óbitos no Estado por causa da gripe. A vacina contra a Influenza não previne contra o coronavírus, mas pode evitar internações decorrentes da síndrome provocada pelo H1N1”, afirma o secretário.

ETAPAS E PÚBLICOS – Neste ano, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza será em três etapas, com grupos distintos. Os idosos e profissionais de saúde serão contemplados na primeira fase, no período de 23 de março a 16 de maio, sendo todas as ações dispensadas para atingir a meta de cobertura vacinal deste grupo. Para os idosos acima de 70 anos, acamados ou não, e asilados, a orientação da secretaria estadual às secretarias municipais é para que sejam criadas estratégias de vacinação no domicílio.

A segunda etapa, a partir de 16 de abril, abrangerá professores, profissionais das forças de segurança, portadores de doenças crônicas e outras condições especiais.

A terceira e última fase terá início em 9 de maio, com a vacinação de crianças de seis meses a menores de cinco anos, 11 meses e 29 dias, gestantes, puérperas, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que cumprem medidas socieoeducativas, presos, funcionários do sistema prisional e adultos de 55 a 59 anos.

O Paraná tem 1,8 mil salas de vacinas, distribuídas nos 399 municípios. A meta é imunizar 90% de cada um dos grupos prioritários contra influenza.

SARAMPO – A Secretaria de Estado da Saúde informa que a campanha de vacinação contra o sarampo foi prorrogada e que a imunização contra a doença seguirá para a faixa etária de 20 a 49, por tempo indeterminado.

(Foto: Geraldo Bubniak/ANPr)

Continuar Lendo

Tendência