Notícias

Base integrada reforça policiamento na faixa de fronteira do PR e do MS

Publicado

em

Paraná e Mato Grosso do Sul passam a contar com a primeira base náutica integrada, que irá reforçar as operações conjuntas das forças de segurança na faixa de fronteira dos dois estados. A Base Traubach foi inaugurada nesta sexta-feira (11) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, em solenidade em Querência do Norte, no Noroeste do Paraná.

A unidade está localizada nas margens do Rio Paraná, entre os pontos de partida das balsas que ligam as duas unidades da federação: Porto Felício, em Querência do Norte, e Porto Caiuá, em Naviraí (MS), na faixa de fronteira com o Paraguai. Ela servirá de suporte às ações conjuntas do Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas (Vigia), projeto estratégico do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em parceria com as forças de segurança pública, defesa, fiscalização e controle dos estados e municípios.

Junto à estrutura, também foi instalada uma torre de radiocomunicação do sistema digital, que ajudará no intercâmbio de informação entre os agentes que trabalham em operações de combate a ilícitos na região. O equipamento foi entregue durante a solenidade pelo ministro André Mendonça, que fez uma transmissão de demonstração para as bases do programa Vigia em Foz do Iguaçu, Brasília e Manaus.

Ratinho Junior ressaltou que o Paraná já tem um trabalho integrado com o governo federal para o monitoramento e fiscalização na área de fronteira. Em dezembro do ano passado, foi inaugurado em Foz do Iguaçu, no Oeste, o Centro Integrado de Operações de Fronteira (Ciof), também uma parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública. O Paraná também sedia o Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), com sede em Curitiba, mas abrangendo os três estados do Sul.

O Governo do Estado discute, ainda, com a Polícia Federal a ampliação de ações integradas, especialmente em relação ao monitoramento das fronteiras com o Paraguai e a Argentina. “Trabalhamos de forma planejada com a Polícia Rodoviária Federal, com a Polícia Federal e as nossas forças de segurança, as polícias Militar, Civil e Científica. Todos integrados, cada uma com sua missão e suas responsabilidades, mas acima de tudo, pensando em conjunto nas estratégias para defender a população”, afirmou o governador. “É desta forma que os resultados aparecem. Fechamos o ano de 2019 com mais de 50% das cidades do Paraná sem nenhum homicídio”, disse.

O ministro André Mendonça destacou que o objetivo é evitar a entrada de entorpecentes e produtos contrabandeados do Paraguai pelo Rio Paraná. “Tantos homens deram seu sangue aqui para defender as nossas fronteiras. Hoje unimos esforços do governo federal com o Paraná e Mato Grosso do Sul para trazer segurança à região de fronteira com comunicação, equipamentos e recursos humanos”, afirmou. “Na prática, teremos o efetivo federal, o Exército Brasileiro e os agentes dos dois estados trabalhando de forma coordenada na área operacional, na troca de informações e, ao mesmo tempo, buscando ampliar o efetivo que atua nas áreas de fronteira”, salientou Mendonça.

BASE – A base náutica funcionará como um ponto estratégico para os agentes de segurança federais e dos dois estados que fazem o patrulhamento por uma extensão de 50 quilômetros do Rio Paraná. Vai atender os contingentes do Exército, Polícia Federal, Polícia Civil e Polícia Militar, por meio dos Batalhões de Polícia de Fronteira e da Polícia Ambiental Força Verde. O sistema de rádio também permite a interlocução com outras unidades do programa Vigia de todo o País.

Próxima ao Paraguai, a região de abrangência da unidade é um local de intenso movimento de organizações criminosas que atuam no contrabando de cigarro e no tráfico de drogas e já foi considerada o corredor de entrada de substâncias ilícitas no País.

Além de coibir o tráfico e o contrabando, a Base Trarbach será um importante referencial no combate aos crimes ambientais. Ela irá ajudar na proteção do Parque Nacional da Ilha Grande e do Parque Nacional do Rio Ivinhema (MS), combatendo a pesca predatória e demais crimes ambientais na região do estuário dos rios Paraná, Ivaí, Ivinhema, Laranjeiras e Amambaí.

Agentes da Força Verde já estão instalados na unidade para o patrulhamento, mas a ideia da Secretaria de Estado da Segurança é deslocar mais agentes e investir em equipamentos de segurança e monitoramento no local.

“Nossa preparação é melhorar a tecnologia, manter o efetivo da Força Verde e ampliar, a partir do ano que vem, o número de policiais na base, que serão contratados em um novo concurso”, destacou o secretário da Segurança Pública, Rômulo Marinho. “Vamos proporcionar à população mais segurança, trabalhando de forma efetiva no combate à criminalidade”, afirmou.  

O secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul explicou que além de utilizar a base náutica do Paraná, os dois estados também vão compartilhar outras bases localizadas no Mato Grosso do Sul. “Investimentos, inteligência e integração são requisitos indispensáveis para o sucesso de qualquer operação policial. Quando temos o apoio do governo federal em um local estratégico para os dois estados e para o País, temos todos os ingredientes para garantir a segurança pública para a população”, disse.

HOMENAGEM – O nome da nova base é uma homenagem ao soldado Daniel Henrique Trarbach Engelmann, do Exército Brasileiro, morto em combate em maio deste ano no Rio Paraná, durante a Operação Hórus. Os pais do soldado, Ivan Engelmann e a Liane Trarbach Engelmann, acompanharam a cerimônia.

FAIXA DE FRONTEIRA – Entre os estados brasileiros, o Paraná é o segundo com o maior número de municípios em faixa de fronteira, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São aqueles localizados a até 150 quilômetros da linha divisória com outros países.

A faixa de fronteira do Paraná abrange 138 municípios, sendo que 17 são limítrofes com o Paraguai ou a Argentina. Estas áreas estão sujeitas a uma legislação específica no âmbito da segurança nacional, que estabelece auxílios financeiros por parte do governo federal.

No caso da Base Trarbach, o projeto é fruto de um trabalho conjunto entre os três níveis de governo. O Ministério da Justiça e Segurança Pública irá custear as diárias dos agentes que atuam nas operações, um investimento mensal de cerca de R$ 48 mil.

Em junho deste ano, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, cedeu parte do imóvel do Posto de Fiscalização de Trânsito Agropecuário (PFTA) de Querência do Norte para uso compartilhado com a Base Náutica, servindo como ponto de apoio ao programa Vigia. A instalação e reforma da edificação foram custeadas pela prefeitura de Querência do Norte, que fará a administração financeira e orçamentária da base.

“Isso representa que o Estado do Paraná, além de trabalhar pela defesa agropecuária em seu território, está preocupado com a estrutura de segurança do país”, disse o diretor-presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins. O PFTA Porto Felício está sob a jurisdição da Unidade Regional de Sanidade Agropecuária de Paranavaí.

TORRES DE COMUNICAÇÃO – Também instalada em Querência do Norte, a torre digital entregue pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública possui tecnologia capaz de gerenciar chamadas e distribuir de forma eficiente as mensagens de tráfego entre os canais disponíveis. Ela possibilitará, de forma segura, a conexão via rádio entre as instituições de segurança pública que atuam na faixa de fronteira paranaense.

Outras cinco torres com a mesma tecnologia serão inauguradas nos municípios de Foz do Iguaçu, Altônia, Terra Roxa, São José das Palmeiras e Matelândia. O investimento para a aquisição dos equipamentos de radiocomunicação foi de R$ 13 milhões, e R$ 4 milhões serão destinados à manutenção por até quatro anos. Os recursos são do Fundo Nacional Antidrogas (Funad).

A entrega foi possível graças à atuação conjunta entre as secretarias nacionais de Operações Integradas (Seopi) e de Políticas Sobre Drogas (Senad), do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Para a instalação, a Seopi formulou e executou o projeto em parceria com o Exército Brasileiro, por meio de um acordo de cooperação técnica.

A entrega do mesmo sistema está sendo finalizada no Amazonas e já existem dois projetos para implantação no Rio Grande do Sul e em Rondônia, em fase de captação de recursos.

PROGRAMA VIGIA – Iniciado em abril de 2019, o Programa Vigia tem o objetivo de coibir a entrada de armas, drogas e produtos contrabandeados no Brasil pelos cerca de 16 mil quilômetros de fronteira do País. O programa conta com operações em andamento nos estados do Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, além das divisas do Tocantins e Goiás. O Paraná foi o primeiro estado a receber atuação permanente do Vigia.

De maio do ano passado até agosto de 2020, foram apreendidas no Estado quase 78 toneladas de drogas por meio da Operação Hórus, um dos eixos do programa. Além disso, houve apreensão de mais de 53 milhões de maços de cigarros contrabandeados, 568 veículos e 116 embarcações. O programa contabiliza, também, cerca de R$ 377 milhões de prejuízo aos criminosos, além de evitar prejuízos aos cofres públicos estimados em R$ 256 milhões.

No Mato Grosso do Sul, a Operação Hórus começou a atuar em setembro de 2019. Até agosto de 2020, a atuação contribuiu para o prejuízo de R$ 678 milhões ao crime organizado e evitou o prejuízo de R$ 113 milhões aos cofres públicos. Além disso, houve a apreensão de 426 toneladas de drogas, 153 armas, mais de 10 mil celulares, 54 embarcações e 1.495 veículos.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade o chefe do Estado-Maior do Exército, general Marcos Antônio Amaro dos Santos; o secretário de Assuntos de Defesa e Segurança Nacional, major brigadeiro do ar Ary Soares Mesquita; o secretário Nacional de Política sobre Drogas, Luiz Roberto Beggiora; o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Eduardo Aggio de Sá; o diretor de Operações, Leandro Almada da Costa; e o diretor de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas, Thiago Marcantonio Ferreira; o superintendente Regional da Polícia Federal no Paraná, Omar Gabriel Haj Mussi; os comandantes-gerais da Polícia Militar do Paraná, coronel Péricles de Matos; e da Polícia Militar do Mato Grosso do Sul, coronel Marcos Paulo Gimenez; o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Silvio Rockembach; o comandante do Grupamento de Operações Aéreas da PCPR, Renato Coelho; o secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes; o deputado estadual Evandro Araújo e outras autoridades.

O Governador Carlos Massa Ratinho Junior participa nesta sexta-feira (11/09) da inauguração da Base Náutica Interestadual Trarbach, localizada no Porto Felício de Querência do Norte (PR) – Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Continuar Lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Saúde confirma mais 601 casos e 36 mortes pela Covid

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (21) mais 601 casos confirmados e 36 mortes em decorrência do novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 163.762 casos e 4.103 mortos. Há ajustes de casos confirmados detalhados ao final do texto.

INTERNADOS – 947 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados nesta segunda-feira (21). São 791 pacientes em leitos SUS (393 em UTI e 398 em leitos clínicos/enfermaria) e 156 em leitos da rede particular (68 em UTI e 88 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 1.128 pacientes internados, 483 em leitos UTI e 645 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos.

MORTES – A Secretaria informa a morte de mais 36 pacientes, todos estavam internados. São 10 mulheres e 26 homens, com idades que variam de 30 a 96 anos. Um óbito ocorreu em julho, outros quatro em agosto e os demais pacientes morreram entre 6 e 21 de setembro.

Os pacientes que faleceram residiam em: Curitiba (11), Londrina (5), Foz do Iguaçu (3), Francisco Beltrão (2), Ibiporã (2), São José dos Pinhais (2). A Secretaria da Saúde confirma também um óbito em cada um dos seguintes municípios: Araucária, Cambé, Campo Magro, Colombo, Dois Vizinhos, Fazenda Rio Grande, Marechal Cândido Rondon, Nova Aurora, Pinhais, Toledo e Verê.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento registra 1.732 casos de residentes de fora, 43 pessoas foram a óbito.

AJUSTES:

Alteração de município:

Um caso confirmado no dia 19/9 em Araucária foi transferido para Rebouças.

Um caso confirmado no dia 15/9 em Piraí do Sul foi transferido para Ponta Grossa.

Um caso confirmado no dia 15/9 em Palmeira foi transferido para Curitiba.

Um caso confirmado no dia 15/5 em Astorga foi transferido para Curitiba.

AEN

Continuar Lendo

Notícias

Paraná tem 2.494 vagas de emprego em todas as regiões

Publicado

em

A retomada da geração de emprego e renda ganhou força com o aumento na colocação de trabalhadores com carteira assinada pelas 216 Agências do Trabalhador do Paraná. Somente em agosto, 6.500 pessoas tiveram a carteira assinada, representando um índice 20% a mais que no mês de julho, quando foram empregadas 5.695, considerado também um índice bastante positivo.

Atualmente estão sendo disponibilizadas no Paraná 2.494 vagas. Os maiores números de vagas são para auxiliar de linha de produção (1.525); alimentador de linha de produção (88); ajudante de carga e descarga de mercadoria (75).

Em Curitiba são 523 vagas disponíveis. As ocupações com maior número de vagas são as seguintes: operador de telemarketing ativo e receptivo (120); empacotador, a mão (44); operador de telemarketing ativo (42).

“Mesmo com a pandemia do coronavírus nossas Agências do Trabalhador continuaram disponibilizando vagas pela internet”, ressalta o secretário da Justiça, Família e Trabalho do Paraná, Ney Leprevost. “Com a reabertura das Agências, os atendimentos presenciais continuaram sendo feitos com horários agendados e respeitando todas as normas exigidas pelas autoridades sanitárias”, explica. “Em todo o momento da pandemia, ofertamos diversas oportunidades de emprego e continuamos firmes para que possamos aos poucos retomar aquele bom momento que vivíamos antes da crise na geração de empregos e renda no Estado.”

OPORTUNIDADES – A supervisora de vendas externa da empresa Stampa Food, Mara De Grandi, conta que logo no mês de maio, quando a pandemia se intensificou no País, teve a sorte de conseguir uma oportunidade de emprego pela Agência do Trabalhador de Curitiba. “Se não fosse a agência eu não iria conseguir emprego neste momento, os profissionais da agência me deram todo o suporte, além de me ajudarem a achar uma vaga adequada ao meu perfil e deu certo, na semana seguinte já estava com a minha carteira assinada”.

Ainda na capital, a auxiliar administrativa da empresa RPF Comercial, Katia de Santana, foi atrás de uma oportunidade na Agência do Trabalhador de Curitiba. “Procurei por telefone a Agência do Trabalhador e fui atendida com agilidade e rapidez. Na mesma semana fui encaminhada para entrevista e, em menos de 10 dias já estava com carteira assinada. Estava passando por um momento complicado. Tinha perdido meu emprego devido a pandemia e já estava começando a passar por algumas necessidades. Só tenho a agradecer”.

A representante da RPF comercial, Gislene Scolaro Portella Castelhano, explicou que ultimamente, devido à pandemia, as contratações só estão sendo realizadas por intermédio da Agência do Trabalhador. “Sempre que temo vagas disponíveis entramos em contato com a Agência do Trabalhador de Curitiba e imediatamente conseguimos ocupar a vaga ofertada”.

TODO O SUPORTE – Olívio de Deus Bandeira é uma pessoa com deficiência e conseguiu, por meio da Agência do Trabalhador de São José dos Pinhais, um novo emprego, na área de serviços gerais na empresa Iguaçu Celulose. “Perdi o emprego no começo da pandemia, mandaram mais de 100 pessoas embora e a consequência disso foi ter acumulado diversas contas. Mas não desisti e fui atrás de novas oportunidades. Uma delas consegui graças a Deus pela Agência do Trabalhador de São José dos Pinhais. Lá na agência os profissionais me deram todo o suporte necessário para que eu encontrasse uma vaga adequada ao meu perfil, pois consegui uma vaga que fosse de acordo com o meu perfil PcD”.

DICA – Olívio foi mais um paranaense que conseguiu emprego num momento de pandemia complicado. “Com certeza sem o apoio da Agência seria bem mais difícil de conseguir alguma vaga. Com isso, minha dica é que procurem sempre as Agências, vejam as informações sempre divulgadas nas redes sociais, e não desistam de ir atrás, o Governo e as prefeituras sempre disponibilizam vagas diárias para a população.

Para o gerente da Agência de São José dos Pinhais, Vilson Marques da Silva, foram momentos complicados, com mais de um mês fechados e mesmo assim conseguimos nos reinventar. “Criamos canais pelo WhatsApp e pelas redes sociais, para poder auxiliar o empregado e o empregador. Com a reabertura das agências criamos condições para que as pessoas pudessem ser bem atendidas no posto, com toda a segurança e precaução. Minimizamos assim os efeitos da pandemia sem abandonar o trabalhador”.

Vilson ainda destaca que hoje em dia a Agência está aumentando recolocação no mercado de trabalho. “O setor com maior oferta de vagas na nossa cidade é na área da indústria, por isso orientamos que o trabalhador nos procure e ocupe as mais de 150 vagas disponíveis”.

INOVAÇÃO – Em Cascavel, município do Oeste do Paraná, a equipe que atua no posto de atendimento da Rede Sine inovou na estratégia para divulgação das vagas. “A pandemia trouxe incertezas e muita instabilidade na economia. Só a partir de junho os empregadores começaram a se adaptar ao novo momento, com aumento de contratações e diminuição nas demissões”, conta a gerente Agência do Trabalhador de Cascavel, Marlene Crivelari.

“Ao tentar preencher as vagas por meio do banco de dados, verificamos que o cadastro estava desatualizado, pois muitos telefones mudaram de donos, e-mails tinham sido desativados. Foi aí que resolvemos ir para a rua, comunicando as pessoas das ofertas de vagas. A estratégia deu certo. Além de uma vaga de emprego, muitos ganharam a oportunidade de mudar de vida”, explica Marlene Crivelari.

 (Foto: Gilson Abreu/AEN)

Continuar Lendo

Notícias

Adapar alerta sobre recebimento de sementes não encomendadas

Publicado

em

Pacotes de sementes como “brindes” de produtos comprados pela internet, ou até sem a solicitação de qualquer encomenda, podem trazer pragas, doenças e plantas daninhas que não existem no País, capazes de causar graves prejuízos à agricultura e ao meio ambiente.

O alerta é da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) após relatos em alguns estados brasileiros, inclusive no Paraná.

A instituição de defesa agropecuária orienta que o material não seja aberto, descartado e, muito menos, utilizado. Quem receber os pacotes deve procurar uma unidade da Adapar mais próxima, ou do Ministério da Agricultura.

Também pode entrar em contato com a Adapar pelo telefone (41) 3313-4000 ou pelo Fale Conosco, disponível em www.adapar.pr.gov.br.

Endereços e telefones das unidades podem ser consultados utilizando-se este link: http://www.adapar.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=375.

Até quinta-feira (17), os fiscais da Adapar recolheram três pacotes de sementes, que serão encaminhados ao Ministério. Dois vieram da região de Curitiba, e um da região de Paranavaí.

Nos três casos, as pessoas relataram que a origem do pacote é chinesa, e não se sabe a razão do envio. Uma delas, segundo a Adapar, havia realizado uma compra pela internet no ano passado, e agora recebeu apenas as sementes, da mesma origem.

O coordenador do Programa de Certificação, Rastreabilidade e Epidemiologia Vegetal da Adapar, Juliano Farinacio Galhardo, reforça o alerta para que as sementes não sejam plantadas, mesmo que pareçam estar sadias. “Muitas das pragas e doenças que elas podem conter são invisíveis a olho nu, e somente podem ser detectadas por meio de análises laboratoriais”, afirmou. “Por isso, a importância de serem entregues à Adapar ou ao Ministério, para providenciar as análises e o descarte adequado, a fim de evitar a introdução de novas pragas no Estado”.

Os exames laboratoriais para identificar as espécies e eventuais patógenos presentes no material serão feitos pelo Ministério da Agricultura.

ORIENTAÇÃO – De acordo com Renato Rezende Young Blood, gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, a introdução de novas pragas em áreas onde elas não ocorrem acarreta aumento nos custos de produção, maior contaminação ambiental, devido a eventual necessidade de controle com agrotóxicos, e pode trazer ainda restrições ao comércio dos produtos vegetais. “Isso gera impacto direto nas cadeias de produção vegetal e, consequentemente, na economia do Estado”, afirmou.

(Por AEN)

Foto:Adapar

Continuar Lendo

Tendência