Turismo e Lazer

Paraná está entre os destinos mais procurados por turistas

Publicado

em

Curitiba e Foz do Iguaçu estão entre os 21 destinos listados pelo Ministério do Turismo como tendência para 2021. De acordo com o levantamento, a valorização do turismo doméstico foi uma das tendências identificadas no comportamento do turista pós-pandemia da Covid-19.

O resultado teve como base os principais sites de pesquisa do setor, além de publicações e dos destinos que se alinham à demanda do novo turista. A mesma publicação elencou o Cerrado brasileiro como único destino brasileiro indicado na lista de 25 melhores viagens para planejar no futuro.

A região Sul do País tem quatro destinos na lista do Ministério do Turismo: Curitiba, Foz do Iguaçu, Florianópolis (SC) e Gramado (RS). Eles seguem a tendência de comportamento identificada em viajantes pós-Covid, de optar por locais de natureza ou com foco no turismo rural.

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, afirmou que o Paraná tem diversos ramos dentro do turismo, como o religioso, gastronômico, rural, de negócios, entre outros. “A pandemia mostrou o peso do turismo dentro da matriz econômica do Estado. Nós temos atrativos ligados ao meio ambiente, justamente o ramo que mais vai crescer no mundo, após a pandemia”, disse.

De acordo com o site Booking, 59% dos entrevistados pretendem ir para um destino de natureza próximo. Ainda segundo o buscador, outra forte tendência é a opção por viagens rápidas, ou seja, três em cada quatro (73%) brasileiros querem fazer viagens mais curtas em 2021 do que fizeram em 2019.

Para João Jacob Mehl, diretor-presidente da Paraná Turismo, vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, a pesquisa vem ao encontro com o trabalho realizado desde março de 2020, para a retomada do turismo pós-pandemia.

“A ecologia está dentro do trabalho que já estamos fazendo, principalmente com o turismo rural, ciclismo e religioso. A regionalização do turismo mostra as belezas do Estado e estamos há um ano trabalhando em cima disso, para fazer com que as pessoas conheçam as belezas do seu próprio Estado”, afirmou.

De acordo com ele, a expectativa é promover atrativos em diversas regiões do Estado, em uma ação com apoio do Ministério do Turismo. Mais informações sobre o turismo do Paraná podem ser consultadas no site VIAJE PARANÁ.

CURITIBA – De acordo com informações do site, a Capital do Estado foi eleita a cidade mais inteligente do Brasil. É a maior do Sul do País, com quase 2 milhões de habitantes e referência em qualidade de vida. São mais de 30 parques e bosques para todos os gostos e com atividades para todas as idades. Os lugares mais visitados são o Parque Jardim Botânico, o Museu Oscar Niemeyer e o Parque Barigui.

Outros exemplos de museus, teatros e locais de shows são Ópera de Arame, Pedreira Paulo Leminiski e Teatro Guaíra. Para quem gosta de feiras, Curitiba tem opções de sobra, com comidas típicas, roupas e artesanato. O destaque é a Feira do Largo da Ordem, que acontece todos os domingos no Centro Histórico da cidade.

O turista encontra a Linha Turismo, um ônibus com roteiro com 24 paradas nos pontos mais interessantes a serem visitados da cidade por um período de 24 horas e uma única passagem. Entre os locais a serem visitados, estão também o Passeio Público, a Rua 24 Horas, o Parque Tanguá, a Ópera De Arame, a Torre Panorâmica, o Bosque do Alemão, o Bosque João Paulo II o Museu Ferroviário.

FOZ DO IGUAÇU – O município abriga uma das sete maravilhas do mundo: as Cataratas do Iguaçu, um complexo de 275 quedas que se estendem por quase cinco quilômetros do Rio Iguaçu.

Com aproximadamente 260 mil habitantes, no extremo Oeste paranaense, a cidade fica na chamada tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. É um dos destinos turísticos mais importantes do País e o mais visitado por estrangeiros do Paraná.

A cidade dispõe de uma média de 27 voos diários. A Terra das Cataratas também possui um dos maiores parques hoteleiros do Brasil. São aproximadamente 28 mil leitos em hotéis e a realização de eventos também movimenta o destino.

Foz abriga, ainda, a Hidrelétrica de Itaipu, a maior do mundo em geração de energia; o Parque das Aves; o Marco das Três Fronteiras; o Templo Budista; e outros atrativos.

BRASIL – De acordo com o levantamento do Ministério, o Sudeste e o Nordeste lideram a listagem com sete destinos. Angra dos Reis (RJ), Belo Horizonte (MG), Petrópolis (RJ), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Sebastião (SP) e Ubatuba (SP) formam o roteiro do Sudeste. No Nordeste, aparecem João Pessoa (PB), Ipojuca (PE), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Seguro (BA) e Salvador (BA).

“O levantamento reforça que estamos no caminho certo para que a retomada aconteça. O turismo doméstico tem um enorme potencial que merece ser conhecido pelos brasileiros e com esse foco que o Ministério do Turismo vem trabalhando – oferecer melhor infraestrutura, serviços cada vez mais qualificados e seguindo os protocolos de biossegurança”, afirmou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto. (Fotos: Jose Fernando Ogura/AEN)

Foz do Iguaçu. Foto: José Fernando Ogura/ANPr

Continuar Lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo e Lazer

Voluntários fazem mutirões para revitalizar trilhas em parques da RMC

Publicado

em

As trilhas do Parque Estadual Pico do Paraná em Campina Grande do Sul e do Morro do Anhangava, em Quatro Barras, atrativo do Parque Estadual Serra da Baitaca, ambos na Região Metropolitana de Curitiba, receberam neste fim de semana uma ação de voluntários para revitalizá-las. Foram feitos tapa-buraco, capina, remoção de pedras e outras providências para fortalecer a manutenção dos locais.    

A iniciativa contou com o apoio do Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo. O objetivo foi garantir a segurança dos visitantes nas trilhas, que também sofrem danos com o grande fluxo de pessoas e com as fortes chuvas. Além disso, o trabalho busca minimizar os impactos da degradação causados pelo pisoteio dos visitantes, reduzindo o processo erosivo e o carreamento de material sedimentado.

As ações foram organizadas pela Federação Paranaense de Montanhismo (Fepam), através dos clubes associados. A Fepam promove os mutirões de manutenção através de um Termo de Cooperação firmado com o IAT.

A atividade no Morro do Anhangava teve a participação dos integrantes da Associação Montanhistas de Cristo, dentro do Programa Adote Uma Montanha. O Morro do Anhangava é uma das atrações do Parque Estadual Serra da Baitaca. Com 1.430 metros de altitude, é considerado o principal destino do Paraná para quem gosta de escalada em rocha.

Além deste, o Parque também possui os atrativos Pão de Loth e o Caminho do Itupava. Este último segue fechado por tempo indeterminado para reparação de danos nas trilhas.

O presidente da Fepam, Marcio Hoepers, afirma que cuidar das áreas de preservação do Estado é a garantia de um ambiente seguro aos 220 montanhistas federados e aos turistas como um todo.

“As trilhas dão acesso ao nosso destino final, que são as montanhas, então mantê-las limpas e conservadas é um dos nossos deveres, como montanhistas e também como membros do montanhismo organizado em clubes e associações”, destacou.

Já a manutenção das trilhas do Pico Paraná foi realizada pelo Clube Paranaense de Montanhismo (CPM), dentro do Projeto de Voluntariado do Pico Paraná (VOU PP). “Estamos muito satisfeitos com o resultado e muita gente passa a entender a importância do trabalho voluntário e do montanhismo organizado”, destacou Ricardo Modesto, presidente do CPM.

O Pico Paraná é uma formação rochosa de mais de 1.870 metros, sendo o mais alto do Sul do País. O local atrai montanhistas e aventureiros de todos os lugares. Do topo, é possível avistar todo o conjunto de serras e as baías de Paranaguá e Antonina, além de Curitiba e Região.

CUIDADOS  Os parques de montanha recebem visitantes em busca de aventuras e contato com a natureza durante o ano todo. O diretor de Políticas Ambientais da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Rafael Andreguetto, lembra que a visitação nas Unidades de Conservação do Estado continua com restrições por causa da pandemia, como a redução em 50% da capacidade máxima permitida e o cadastro de visitantes nas portarias oficiais.

“É preciso que as pessoas tomem os devidos cuidados porque a pandemia ainda não acabou. A orientação é que os interessados liguem antes e verifiquem a capacidade de carga dentro das unidades”, afirmou.

É obrigatório o uso de máscaras durante toda a permanência nos parques estaduais, o uso de álcool em gel e o distanciamento social. Não é permitido acampar em nenhum local dentro das áreas de preservação e também estão proibidas as fogueiras.

Ao fazer o cadastro, os visitantes dos dois atrativos recebem pulseira de identificação. Quem for abordado dentro da unidade e não estiver portando a pulseira, está sujeito a autuações.

(Fotos: Fepam/SEDEST/AEN)

Foto: Divulgação SEDEST
Foto: Divulgação SEDEST
Foto: Divulgação SEDEST

Continuar Lendo

Turismo e Lazer

Com as novas medidas restritivas, parques estaduais fecharão neste domingo

Publicado

em

Devido ao aumento de casos da Covid-19, os parques estaduais não podem receber visitantes nos domingos, enquanto vigorar o Decreto 7.672/21, publicado no dia 17. Durante a semana funcionam com horários diferenciados, previstos na Portaria 006/2021, respeitando as normas de distanciamento para evitar aglomeração. As novas medidas de restrição se estendem até o dia 31 de maio.

As Unidades de Conservação de montanhas – Pico Paraná, Pico Marumbi e Serra da Baitaca, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) também fecharão aos domingos. Porém, as unidades tiveram o horário de visitação alterado, a partir do último final de semana.

Os demais parques funcionarão das 8h às 17 horas, de quarta-feira a sábado, apenas para atividades individuais, como caminhada, corrida e exercícios. Continuam proibidas práticas esportivas coletivas e eventos destinados ao entretenimento ou recepção. Às terças-feiras as Unidades de Conservação são fechadas para manutenção. (AEN – Foto: SEDEST/IAT)

Continuar Lendo

Turismo e Lazer

Parques com montanhas na RMC têm horários de funcionamento alterados

Publicado

em

Os Parques Estaduais de montanha Pico Paraná, Pico Marumbi e Serra da Baitaca, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), passam a ter horário de visitação alterados a partir deste final de semana por conta das práticas de montanhismo realizadas nos locais. A decisão foi oficializada nesta quinta-feira (13), pelo Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest).

A orientação é que os montanhistas cheguem mais cedo nas unidades para a prática do esporte. Os horários limites de permanência nos locais devem ser respeitados. Nas demais Unidades de Conservação do Estado seguem as normativas de horário publicadas na Portaria nº IAT 006/21.

O Caminho do Itupava, atrativo do Parque Estadual Serra da Baitaca, permanece fechado para visitação devido a riscos de segurança encontradas na trilha e todas as Unidades fecham nas terças-feiras para manutenção.

Apesar do horário diferenciado, os parques continuam a seguir as normas regulamentadas na Portaria, com número reduzido de visitantes, medidas de segurança e distanciamento social. Acampamentos continuam proibidos e o acesso às unidades é permitido apenas pelas bases do IAT, mediante cadastro e contabilização de turistas.

Os parques estaduais estão munidos com estrutura de segurança para evitar a propagação do novo coronavírus. Além disso, os funcionários dispõem de protocolos de higiene para prevenir possíveis contágios. Visitantes serão identificados com pulseiras nas portarias, a fim de manter o controle de entrada nos parques.

“A pandemia ainda não acabou, então as pessoas que vão até esses parques para subir as montanhas devem verificar a possibilidade de carga e utilizar a pulseira de identificação entregue na portaria oficial. Ela será solicitada durante a fiscalização e é importante para o controle e segurança dos visitantes no interior das Unidades de Conservação”, afirma o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto.

Confira as mudanças em cada um dos parques e atrativos

Parque Estadual Pico Paraná

Horário de entrada: a partir das 05h

Horário limite para subida: até às 15h

Horário limite de permanência na unidade: até 19h

Parque Estadual Serra da Baitaca

Horário de entrada: a partir das 05h

Horário limite para subida: até 18h

Horário limite de permanência na unidade: até 19h

Parque Estadual Pico Marumbi

Horário de entrada: a partir das 06h

Horário limite de subida para Salto dos Macacos e Conjunto Marumbi: 09h

Horário limite de subida para Conjunto Marumbi – trilhas leves: 12h

Horário limite de permanência Salto dos Macacos: 15h

Horário limite de permanência Conjunto Marumbi – todas as trilhas: 18h

(AEN/Foto: Harvey FS/IAP)

Continuar Lendo

Tendência