perfis de aluminio alupex pinhais

Saúde

Estado firma pacto com municípios para acelerar o ritmo da vacinação contra a Covid-19

Publicado

em

O Governo do Estado firmou um pacto com os municípios para acelerar o ritmo da vacinação contra a Covid-19 no Paraná. Em reunião virtual nesta sexta-feira (11) com os chefes das 22 Regionais de Saúde, o governador Carlos Massa Ratinho Junior cobrou a execução de ações uniformes que possam diminuir o tempo entre a distribuição do imunizante por parte da Secretaria de Estado da Saúde e a aplicação na população.

Ratinho Junior solicitou que os núcleos informem diariamente o número de vacinas aplicadas e também em estoque, município por município.

“É o momento de dialogar com as cidades para fazer com que a população seja rapidamente vacinada, entender as necessidades e os problemas de cada uma. Se recebemos seis milhões de doses, temos de aplicar seis milhões de doses”, destacou o governador.

“Não podemos deixar passar o fim de semana, sábado, domingo, feriado. O momento é de realizar uma força-tarefa para vencermos logo essa pandemia. A velocidade da vacinação está baixa diante das equipes e condições que nós temos”, acrescentou, reforçando que a meta é proteger toda a população adulta do Estado, estimada em 8.736.014 pessoas, até o fim deste ano.

Levantamento da Secretaria da Saúde aponta para uma diferença de pouco mais de 1 milhão de doses entre o estoque encaminhado às cidades e o que efetivamente foi usado na proteção dos paranaenses. De acordo com o Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), vinculado ao Ministério da Saúde e abastecido pelos próprios municípios, o Paraná aplicou até a manhã desta sexta-feira 4.295.579 vacinas anticoronavírus – 3.042.432 primeiras doses e 1.253.147 segundas doses. No entanto, foram distribuídas 5.692.880 doses de imunizantes.

Parte deste hiato se deve à reserva técnica de 10% (cerca de 600 mil doses) que fica armazenada no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, atendendo a uma orientação prevista pelo Plano Nacional de Imunização (PNI). O restante se deve às estratégias de aplicação adotadas pelas secretarias municipais de saúde.

“Núcleo a núcleo, precisamos e vamos recuperar a velocidade da vacinação. Fazer com que as vacinas saiam rapidamente das geladeiras e cheguem aos braços dos cidadãos do Paraná”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “A prevenção se dá por meio da vacinação, e não podemos admitir que quase um milhão de doses não tenham sido aplicadas ou não tenham sido devidamente informadas pelos municípios”.

CONVOCAÇÃO – O secretário explicou que para garantir mais agilidade ao processo parte dos cerca de 1.500 colaboradores da Secretaria estadual da Saúde que estão em regime de teletrabalho serão reconvocados a partir da próxima semana para voltarem ao modelo presencial. “Vamos chamar aqueles que já foram imunizados. Precisamos de todos em nome da vacinação”, disse.

Ele ainda orientou as regionais a avançarem dentro dos grupos prioritários e também a diminuírem a faixa etária da aplicação na população em geral conforme a disponibilidade de doses. Lembrou que os municípios estão autorizados neste momento a vacinar pessoas com idade variando entre 40 e 59 anos, conforme o calendário individual de cada cidade. “Precisamos diminuir gradativamente a idade para dar uma perspectiva de vacinação, um alento para o cidadão”, afirmou Beto Preto.

MUNICÍPIOS – Entre os municípios que mais aplicaram doses em números absolutos, também de acordo com o Vacinômetro do SUS, estão Curitiba, com 788.550 vacinas, seguido por Maringá (234.632), Londrina (234.456), São José dos Pinhais (123.350), Cascavel (122.688) e Foz do Iguaçu (99.444).

MAIS DOSES – Nesta semana, o Estado recebeu mais 145 mil doses de vacinas da Pfizer/BioNTech e 238 mil doses da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz, compondo a 23ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde.

As doses são destinadas aos grupos de pessoas com comorbidades e deficiência permanente, gestantes e puérperas, trabalhadores do ensino básico, forças de segurança e salvamento e forças armadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhos, trabalhadores da assistência social, trabalhadores portuários, trabalhadores do transporte aéreo, e trabalhadores do ensino superior.

Com a nova remessa, o Paraná ultrapassa as seis milhões de doses recebidas. Também é esperada, para esta sexta-feira (11), a chegada de uma nova vacina: a Janssen, fabricada pelo braço farmacêutico da Johnson & Johnson. A vacina, aplicada em dose única, será destinada prioritariamente ao grupo de trabalhadores da carga pesada e moradores de rua. (Foto: José Fernando Ogura/AEN)

Saúde

Com o avanço da vacinação, Paraná começa a criar escudo coletivo contra a Covid-19, diz Beto Preto

Publicado

em

Em 18 de janeiro de 2021, quando a primeira paranaense recebeu a aplicação da dose número um da vacina contra a Covid-19, uma onda de esperança tomou conta da população, que há meses estava assustada com a força devastadora do vírus Sars-CoV-2. Mas, diante de uma realidade brutal, com o adoecimento diário de milhares de pessoas, era inevitável se questionar sobre o futuro: afinal, será que a vacinação controlaria a evolução do vírus?

Isso dependeria da capacidade das vacinas de acompanhar as variantes e também da duração da imunidade. Ou seja, a resposta é: sim. Com a vacina, fatalmente o Paraná alcançaria o fim da fase aguda da pandemia, e agora, com mais de 60% do público vacinável imunizado com ao menos uma dose e 20% completamente protegido, a eficácia coletiva está melhorando ainda mais.

É o que afirma o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, em entrevista concedida para a Agência Estadual de Notícias. Nesta conversa, ele se mostra esperançoso ao observar os primeiros efeitos positivos da vacinação contra a Covid-19 no Paraná. Segundo ele, passados seis meses, não apenas é possível garantir que as vacinas – avaliadas e reavaliadas por cientistas – são seguras e eficazes, mas também constatar que. independente da tecnologia utilizada, a aplicação em larga escala dos imunizantes permite avanços importantes na contenção da pandemia no Estado.

Com mais de 5 milhões de paranaenses vacinados, o Paraná obteve redução na hospitalização de idosos, por exemplo, grupo totalmente coberto pela campanha de imunização. De acordo com o secretário, nos meses de fevereiro e março deste ano 65% das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) estavam ocupadas com pacientes com mais de 60 anos, enquanto nos primeiros 10 dias de julho essa taxa estava em 27%.

O impacto das vacinas na curva de contaminação geral, porém, ainda não reflete nos números gerais por conta do delay na notificação.

Neste período, ao longo de seis meses, foram distribuídas no Paraná quatro vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): CoronaVac, vacina adsorvida inativada, fabricada pela Sinovac (China) e Instituto Butantan (Brasil); AstraZeneca, vacina recombinante, elaborada pela AstraZeneca, Oxford e Fiocruz; Pfizer, vacina RNA mensageiro (RNAm), da parceria Pfizer e BioNTech; e Janssen, vacina recombinante, produzida pela Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Depois de seis meses da primeira aplicação da vacina contra a Covid-19 no Paraná, quais são os efeitos constatados?

Os efeitos estão relacionados principalmente à construção do escudo imunológico coletivo da população, isso porque quando o grupo de vacinados aumenta, diminui a transmissão e a contaminação geral da população. A força de reprodução do vírus também é contida, pois ele começa a encontrar organismos protegidos, mesmo que em parte, pela parcela de pessoas que se vacinou com a primeira dose. Então, sem dúvida, a vacinação tem sido o principal instrumento de defesa nesse momento, é isso que vai nos dar a condição de superar essa dificuldade do coronavírus.

O Paraná apresenta diminuição no índice de ocupação de leitos principalmente de pessoas idosa. Há relação com a vacinação?

Nos meses de fevereiro e março deste ano, quando a cepa P1 (variante brasileira) começou a se manifestar no Paraná, 25% dos casos estavam relacionados a essa linhagem. Na mesma época, do total de pacientes paranaenses que estavam internados em leitos de UTIs, 65% tinham mais de 60 anos de idade. Hoje, 80% dos casos confirmados têm prevalência da cepa P1 amazônica, mas o número de internados nessa faixa etária caiu para 27%, ou seja, as infecções mais graves já não atingem tanto quanto antes as pessoas com mais de 60 anos de idade – um resultado muito positivo da vacinação.

Havia essa projeção ou até mesmo otimismo de que com o avanço da vacinação o Paraná atingiria o fim da fase mais aguda da pandemia?

Nossa luta desde o início é para isso. Já tivemos fases piores e fases não tão ruins, mas o fato é que a pandemia mudou radicalmente a vida de todos, e nós queremos a nossa vida normal de volta. Claro, trabalhamos o tempo todo para ter vacinas, para vacinar e atingir os objetivos. Se tivéssemos vacinas já no ano passado, teríamos feito o dever de casa, porque temos capacidade de vacinar muita gente ao mesmo tempo. Trabalhamos com as vacinas disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, que nas últimas semanas enviou um número um pouco maior de doses. Com muita agilidade, distribuímos esses imunizantes aos municípios, que por sua vez, têm feito um grande trabalho na vacinação da população.

Apesar da queda de hospitalizações, a contaminação geral continua em alta. Isso pode ser por conta das variantes?

Com o retorno de algumas atividades, houve aumento também de passageiros no transporte coletivo, de circulação e a continuidade do trabalho dos profissionais dos serviços essenciais que nunca pararam de atender a população. Tudo isso estimula a transmissão do vírus. Ainda temos um grande número de casos, e o surgimento de cepas novas, variantes do coronavírus. Mesmo assim, os casos têm se revelado cada vez mais leves, já não são tão perversos como aqueles do ano passado ou do início deste ano. Reitero, a contaminação ainda é um problema, mas já apresenta queda. Caiu em torno de 30% nos últimos 30 dias.

O que se sabe sobre a capacidade das vacinas em relação às variantes?

É importante explicar que a aparição de variantes é normal no mundo dos vírus invisíveis. A cepa P1 foi descoberta em novembro/dezembro no Amazonas, e hoje ela é predominante no Brasil: 80% dos casos de coronavírus no País são relacionados à cepa brasileira. Continuamos estudando tudo isso e prontos para analisar outras cepas que vão aparecer. Até agora, as vacinas têm se mostrado eficazes até contra essas variantes. (AEN/Foto: Américo Antonio/Sesa)

Continuar Lendo

Saúde

Ministério da Saúde confirma que Paraná vai receber mais 235,5 mil vacinas contra a Covid-19

Publicado

em

 

 

O Ministério da Saúde confirmou na tarde desta quarta-feira (14) que o Paraná vai receber nos próximos dias mais 235.500 vacinas contra a Covid-19. O lote é formado exclusivamente pelo imunizante Covishield, produzido pela Fiocruz/AstraZeneca/Oxford e dará continuidade à vacinação da população geral com a primeira dose (D1). O governo federal ainda não confirmou a data da distribuição.

O conjunto é composto por 166.951 doses para adultos com mais de 18 anos e 45 mil doses exclusivas para moradores de quatro cidades da região de fronteira com Paraguai e Argentina – Foz do Iguaçu, Guaíra, Santo Antônio do Sudoeste e Barracão. O restante é separado para a reserva técnica.

A expectativa da Secretaria de Estado de Saúde é que o lote da fronteira seja complementado com mais 45 mil vacinas nos próximos dias, totalizando as 90 mil anunciadas.

Assim que chegarem ao Estado, os imunizantes serão recebidos e separados pelo Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, para serem distribuídos rapidamente entre as 22 Regionais de Saúde. 

Até o momento, o Ministério da Saúde já entregou ao Estado cerca de 8,3 milhões de imunizantes, sendo que 6.643.645 doses já foram aplicadas nos paranaenses – outra parte está reservada para a segunda dose dos grupos já iniciados.

De acordo com o Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), foram aplicadas 4.972.289 primeiras doses e 1.671.356 pessoas já estão completamente imunizadas com a segunda ou com a dose única. 

Esta última remessa do Ministério conta com um montante de 4.006.500 doses para os estados, todas da AstraZeneca/Focruz. A pasta entregou, em todo o País, 147.335.318 doses, sendo que 110 milhões de pessoas já receberam pelo menos uma primeira dose de imunizante.

CALENDÁRIO – Segundo levantamento da Secretaria da Saúde, três em cada quatro cidades paranaenses já estão vacinando a população da faixa dos 40 anos contra a Covid-19. O calendário de vacinação estima que as pessoas com essa idade devem receber pelo menos a primeira dose ou a dose única até 18 de julho. O restante da população adulta será imunizada até o final de setembro.

INSUMOS – Além das novas vacinas, o Ministério da Saúde vai encaminhar mais 38.700 seringas de 1 ml, 38.700 agulhas 22 g e 245.200 seringas de 3 ml já com agulha própria ao Paraná. (Gilson Abreu/AEN)

Continuar Lendo

Saúde

Taxa de transmissão chega ao menor índice do ano; ocupação das UTIs diminui para 81%

Publicado

em

A taxa de reprodução (Rt) do coronavírus chegou ao menor índice do ano no Paraná nesta segunda-feira (12), segundo a plataforma Loft.Science, que mede, em todo o País, o número médio de contágios causados por uma pessoa infectada. O Rt médio do Paraná está em 0,70 – o mais baixo entre todas as unidades da federação. Isso significa que cada 100 pessoas com Covid-19 podem contaminar outras 70, o que mostra que há remissão da pandemia no Estado.

O Rt indica a média de pessoas que serão infectadas pelo Sars-CoV-2 a partir de uma pessoa doente. Quando o Rt for igual a 1, a doença está estável. Quando é maior, há um crescimento no número de casos. Quando a taxa está abaixo de 1, há redução nos contágios. Segundo a plataforma, que atualiza os dados diariamente, a taxa no Estado varia de 0,64 a 0,74.

Desde o último pico, em 24 de junho, quando o Rt do Paraná estava em 1,48 (cada 100 pessoas contaminavam outras 148), a transmissão no Estado só reduziu, e desde 1 de julho está abaixo de 1. No Brasil, o Rt médio nesta segunda-feira era de 0,83, com todos os estados com índice igual ou abaixo de 1.

“É uma amostra de que as medidas de controle que ainda adotamos a nível estadual e os municípios impõem localmente funcionam, além do aumento da vacinação, que tem melhorado todos os indicadores da pandemia. Aos poucos começamos a ver um cenário mais equilibrado e com tendência de queda”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Precisamos imunizar o máximo de paranaenses e manter as regras básicas de convívio social da pandemia. Só assim, coletivamente, vamos vencer a doença”.

Mais indicadores também demonstram que há uma tendência de arrefecimento da pandemia de Covid-19 no Estado. Outra plataforma que mede a taxa Rt, com dados compilados pelo Laboratório de Estatística e GeoInformação da Universidade Federal do Paraná (LEG/UFPR), mostra que, ao longo da última semana, o Paraná chegou aos menores índices desde o início da pandemia, em março de 2020.

O menor valor registrado na plataforma foi na quarta-feira (7), quando o Rt chegou a 0,50, sendo que a taxa ficou na casa dos 0,5 nos últimos dias. Nesta segunda-feira, o índice Rt estava em 0,62.

UTI – Ao mesmo tempo houve a redução na taxa de ocupação nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) que atendem exclusivamente pacientes com Covid-19. Nesta segunda-feira, o índice de ocupação das UTIs do Sistema Único de Saúde (SUS) chegou a 81%, a mais baixa desde 14 de fevereiro, período em que uma nova onda da doença iniciou no Estado. Faz exatamente uma semana que essa taxa é menor que 90%.

De acordo com a Central de Regulação de Leitos da Secretaria de Estado da Saúde, o sistema hospitalar do Paraná conta com 2.011 leitos de UTI Covid adulto e pediátrica, sendo que 1.621 estão ocupados e 390 livres. Somente entre as UTI adulto, são 1.989 existentes, com 1.613 ocupadas e 376 livres.

Levando em conta todos os leitos disponíveis para os pacientes da doença, incluindo também os clínicos, a taxa de ocupação no Estado é de 63%. Dos 4.775 existentes, 2.990 estão ocupados e 1.785 livres. Já o índice de ocupação dos leitos de enfermaria está em 50% – dos 2.764 disponíveis, 1.369 estão sendo usados e 1.395 estão desocupados.

As macrorregiões Leste e Oeste têm a menor taxa de ocupação de UTIs: 79%. A primeira reúne as Regionais de Saúde de Paranaguá, Metropolitana (Curitiba), Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória e Telêmaco Borba e conta com 1.053 leitos, dos quais 223 estão livres. Na Norte (Apucarana, Londrina, Cornélio Procópio, Jacarezinho e Ivaiporã), são 315 leitos disponíveis, com 67 desocupados.

Na macrorregião Noroeste (Campo Mourão, Umuarama, Cianorte, Paranavaí e Maringá), a taxa de ocupação é de 82%; e na Oeste (Pato Branco, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel e Toledo), de 86%. (AEN/Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

Continuar Lendo

Tendência